You are currently browsing the monthly archive for setembro 2008.

Tudo que eu falo de ruim cairá sobre mim.
Mesmo que eu não fale…

Ft

Arranquei de junto ao peito
Esse frio, sem brio, vazio
E bramei como um Xerife
Contra o rês contentamento
Chifre
Veja! Meu esquife!

Não sucedeu o término,
E a futura ex…
Megera, biscaia, vaca!
Cheia de freguês!

Fenestrei o féretro
Alumiando, surgiu um novo sentimento:
“Sem mais tormento rameira, lamento!’
Meu voraz ataque de novas quimeras
Vitimam minha imagem laxa
E enfim, emancipo-me da caixa

No divã,
Venço a batalha
Meu ódio não falha
Me amo, sublimo
E enfim, fastuoso rimo:
Não há quem me valha!