You are currently browsing the monthly archive for outubro 2008.

Como é enorme a carência das pessoas por amor, por carinho, por atenção.
Quando atravesso a rua e uma mulher vem de encontro à minha direção, acabo sentindo a falta de amor daquela pessoa. Ohh! Quanto ela precisa amar, quanto ela precisa enxergar o amor.
Tudo bem! Existe o companheirismo, a proximidade, a intimidade, o querer bem…mas o carinho? O amor? A atenção? Onde ela está?
Você não sente isso em você, nem n’outras pessoas.
Saiba que tudo que você acha e imagina, é tão pouco, limitado e finito perto do quanto você pode receber, quanto você pode ser seduzida, a um ponto de desligar seus pensamentos e querer amar, querer receber, enxergar realmente o amor.
Porque o amor não está no nosso entendimento. Ele vai além dele.
É quando você se desliga de sua mente que você começa realmente a ter uma pista do que é o amor pleno, infinito, eterno e para muita gente “irreal”.
Você enxerga que o carinho que recebe atualmente é como um simples cm² no universo. É muito pouco, muito escasso. Te faz feliz? Um pouco, mas não plenamente.
Por isso, tenho a certeza que devemos exercitar o amor, ao invés de darmos significado a ele.
Soltá-lo das páginas dos livros, esquecê-los da cultura, do conhecimento coletivo e nos aprofundarmos no que precisamos sentir, sem pensar, julgar, significar esse sentimento.
Haverá um breve momento que o amor deixará de ser moeda financeira de troca entre humanos, e começará a ser terno, fiel, leal, naquele bem-aventurado ser que finalmente deixou de entendê-lo.

Anúncios

O que significa o significado?
Ao olhar um papel, dizemos que é um papel. Esse é o significado. Mas o que é um papel? O que realmente é?
Uma árvore? Uma parte da árvore? A árvore? Milhares de trilhares de átomos?
Porque, se a última interrogação for verdadeira, então na verdade o papel não está lá! Porque os átomos estão em constante movimentação, ganhando e perdendo energia, como dito no post “E = m.c²“.
Logo, podemos imaginar que o papel realmente não está lá naquele momento, só a vibração que seus átomos fazem.
Enfim, nessa aparentemente maluca inferência, descobrimos que um papel não é nada. Só um significado.
Porém, o vemos, o tocamos, o sentimos. Sentimos sua vibração, seus átomos, suas energias!!! Sua forma é apenas aquela massa condensada, que no fim, não deixa de ser energia.
Imaginemos que, cada ser na Terra (senão no Universo) faça o seu próprio significado, usando seus sentidos. Imaginemos que um cego dê um significado a uma forma. Não seria totalmente distinta de qualquer outro ser? Porém, se tudo que existe são apenas átomos, porque então diferencia-los pela forma que os vemos? Ou melhor, porque então tudo que existe seria diferente para cada um entre todos, se somos apenas a vida?
Isto nos leva a uma compreensão superior de que nada é tudo! Tudo que existe!
Somos apenas nada! No espaço sideral não tem nada! Na Terra, não há nada! Só há porque inventamos significados!
Porém, eu afirmo a vocês que isto é verdade: há de se descobrir que existe algo demasiado maravilhoso nisso tudo!
Veja como o nada impõe tanto respeito!!! Veja como o Universo impõe respeito! Como o silêncio em relação aos sons impõe respeito!
Você talvez se perguntasse: “Então todos estamos mortos?”. Sim, você, inconsciente disso, está morto.
Mas quando você se torna consciente, você vê que na verdade, morrer é uma ilusão, e que tudo vive! Tudo é vida! O Ser dentro de ti compreende tudo isso, sem precisar ouvir, tatear, cheirar, ver ou provar!
Não existe o mau. Nem mesmo o bom!
Não existe o feio, muito menos o bonito!
Não existe o medo, nem a coragem!
O que existe, são bilhares de pessoas no mundo…mortas! Zumbis capitalistas, pederastas, samaritanos, caridosos, bárbaros, felizes, infelizes…uma penca de significados que vão somando na tua ilusória natureza humana conforme o tempo passa!
Tempo este que também não existe! Você não vive o amanhã, nem o ontem. Você está vagando eternamente como um ponto consciente no universo, em tudo que existe, na vida!
Você simplesmente está! E você simplesmente é!
Assim como eu sou!
Então pra que julgar? Pra quê olhar para o seu semelhante e dizer: “Você é feio”. E pro outro da frente: “Você é lindo.” Se no final, ele…assim como você…se tornará apenas átomos descondensados? (Ou o conhecido pó)
Essa é a natureza. Você é a natureza. Você está em Deus, e Ele em você…você O é! Teus sentidos não são nada perto de toda essa energia divina que está na vida! Se você, que chegou nesta parte do texto agora, ainda acha que deve dar significado às coisas, então a única coisa que você deve dar significado é na palavra “milagre da vida”. Esse mesmo que conhecemos como a natureza, as coisas que não conseguimos compreender, a flor perfeitamente vestida com suas cores, o olhar genuíno, o sorriso sem motivo, o pressentimento bom, a paz interior, aquela energia que te faz movimentar, sentir, “animar”.
Veja como pra você isso não é nada!
Espero que agora você saiba…
…que o nada realmente é tudo!
Morra e comece a viver.